quinta-feira, 9 de agosto de 2012

46

46 degraus.

Por 42 dias, 46 degraus acima e 46 degraus abaixo.

Para muitos, apenas 42 dias e apenas 46 degraus.

Lembro-me exatamente do primeiro contato com o processo chamado “radioterapia”.

Estava ali, tampando os meus seios com um pequeno pedaço de tecido feito de algodão. Insegura, com a respiração ofegante... Sentindo um frio danado de forte (ou tremendo de medo e ansiedade, talvez).

Fui deitada a maca milimetricamente arrumada para o meu corpo, agora desnuda, com o braço esquerdo dobrado em um ângulo de 90 graus, observando algumas linhas vermelhas no teto e tentando não demonstrar insegurança.

- Esse primeiro procedimento de marcação ao corpo é um pouco demorado mesmo, mas garanto que amanhã você não ficará por aqui durante muito tempo. Disse o radioterapeuta simpático, aparentando um profundo conhecimento das minhas expressões faciais de desconforto.

Quando ele saiu da sala e pude finalmente ter a oportunidade de encarar o aparelho, quis fechar meus olhos e novamente, agradecer. Mais uma vez, recebi a oportunidade de lutar.

Maquina ligada, barulhinho estranho, respiração ofegante, 52 segundos.

42 dias.

Por 42 dias: 46 degraus acima, seios descobertos, maquina ligada, barulhinho estranho, respiração ofegante, 52 segundos de agradecimento a vida e 46 degraus abaixo.

Hoje, enquanto me despedia desse processo, contei pacientemente cada degrau escada abaixo.

Precisei descer 46 degraus para entender que na verdade, eu subi. Subi e cheguei ao topo minha residência interior: cheguei à cobertura. E se pudesse mesmo lhes confiar o maior segredo de todos os segredos, diria que daqui de cima a vista é incrivelmente incansável de se admirar.

Para chegar ao topo, tive subir degrau por degrau e através disso, parar em diversos andares. Escrevi sobre as dores, as flores e os espinhos. Escrevi sobre a vida e sobre a morte, facetas de uma mesma moeda. Contemplei a natureza da alma, a beleza do sorriso e o poder contido dentro dos que são felizes. Sofri com fechamentos cíclicos, me despedi do que realmente amava, decidi a minha conduta pós “segunda chance”. Subi degraus, desci inúmeros degraus. Escrevi e apaguei. Apaguei e recomecei. Reescrevi a vida a caneta, sem a insegurança pela falta de lápis.

Aprendi o que ensinei.

46 degraus acima.

Eu sabia que a vista incansável existia e estava a minha espera. Eu sentia.

Apenas 46 degraus acima.

Obrigada a todos vocês, pela experiência incrível de acompanhar todo esse processo através das minhas palavras. Obrigada por todas as lagrimas, obrigada principalmente pela sensação de utilidade.

Aqui, no topo da minha nova residência, minha vista não contêm mais o câncer, contêm apenas o que aprendi com ele.
Mais uma vez, sempre... e para sempre.


11 comentários:

  1. Tô Orgulhosa.
    Temos mais alguns degraus para subir até o final do ano..=) Com você ao meu lado, juntas, sempre... Tamo

    ResponderExcluir
  2. Por favor, não pare de escrever. Precisamos de você, da sua forca e dos seus textos.
    Por favor, pense a respeito.

    ResponderExcluir
  3. Querida Evelin. Quiz o destino que hoje, no mesmo dia que voce se despede, nos tb aqui, recebemos uma boa noticia sobre minha filha Maisa. Alguma coisa existe entre nos. Nunca nos vimos, mas isso eu nao sinto. Te conheco de algum lugar, Vibro por voce e torco para que um dia eu possa te abracar e te dizer o quanto voce e importante nesse processo nosso. Beijossssssssss e boa sorte em sua nova caminhada.Anaaguiar

    ResponderExcluir
  4. So para acrescentar minha escrita, NAO PARE DE ESCREVER, PLEASE!!!
    anaguiar

    ResponderExcluir
  5. Que grande honra poder estar presente nesse momento! Obrigado por tudo que você me trouxe com a sua conduta! Obrigado de coração!

    ResponderExcluir
  6. celia regina09 agosto, 2012

    que luta nao e cada degrau uma vitoria e voce vencera todas elas meu amor tem muita gente felizpor voce pelo que voce faz as pessoas que estao nesse processo tambem por isso meu amor nao pare de escrever as pessoas se espelham em voce na sua conduta na sua força te amo nao para naooooooooooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  7. Minha querida,eu te admiro,voce é dessas pessoas que nao se deixam abater e sabe que amar a vida é fundamental para vencernesta selva de pedra em que vivemos.
    Voce aprendeu nao deixar seu coraçao com tristezas e nele so deixar o amor .
    Voce olha um pouco mais o verde,voce conta os degraus,olha o colorido das flores,sente o senti o perfume delas curte o cantar dos passaros,senti o cheiro da trra que recebe a chuva,procura fotografar coisas que para outros nao tem valor,enfim terei que escrever muito para lhe dizer o quanto e bom ficar perto de voce sentindo seu calor insubistituivelsou uma pessoa previlegiada por poder estar sempre a teu lado .te amo voce sabe sua Abuielita

    ResponderExcluir
  8. evelin querida, estou muito feliz por vc, mas por favor nao pare de escrever, as pessoas precisam sentir sua força, sua maneira construtiva de enfrentar cada situação. vc tem muito que passar para as pessoas,não pare! bjs, fique com Deus.

    ResponderExcluir
  9. E impossivel ler e não se emocionar!
    PARABÉNS PELA VITÓRIA E PARABÉNS POR
    VOCÊ APRENDEU COM O CÂNCER!!

    Felicidades!!

    ResponderExcluir
  10. Drica Machado13 setembro, 2012

    Você é uma taurina. E eu bem sei o tanto de vida que pulsa dentro de um ser de chifres. Você teima em viver e isso é a sua cara. De outra taurina, beijo.

    ResponderExcluir